Menu

Xanana Gusmão pode demitir-se da chefia do governo


Xanana Gusmão poderá ocupar outras funções no VI Governo Constitucional de Timor-Leste, que se formará depois da sua eventual demissão do cargo de primeiro-ministro, disse fonte do partido do líder timorense, citado pela agência Lusa.

"Deixará o cargo de primeiro-ministro mas pode vir ainda fazer parte do Governo", disse a fonte do Conselho Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT).
A mesma fonte recordou que Xanana Gusmão recebeu carta-branca do partido para, apesar de se demitir, poder determinar quem é que faz parte do elenco do próximo executivo, mesmo que não o lidere.
Daí que tenha sido Xanana Gusmão a conduzir todo o processo de "reestruturação" mas que, na prática - explicam fontes do Governo - representa a definição do elenco do próximo Governo.
Fontes próximas de Xanana Gusmão apontam o médico Rui Araújo, que foi ministro da Saúde do primeiro Governo constitucional timorense e membro do Comité Central da Fretilin como um possível candidato à chefia do governo.
O CNRT - que controla 30 dos 65 lugares do parlamento - indigitaria Rui Araújo mesmo sem o apoio dos seus antigos parceiros de coligação do Governo (os dois deputados da Frente Mudança e os oito do Partido Democrático) já que contará com o apoio da Fretilin (25 deputados) até final da legislatura, referem as mesmas fontes do partido.
Além de Araújo, o novo Governo deverá incluir pelo menos dois outros nomes da Fretilin, o do deputado Estanislau da Silva - que poderá ser um de quatro vice-primeiros-ministros com funções de coordenação - e a do também deputado Inácio Moreira, que deverá ocupar a pasta de vice-ministro das Telecomunicações.
Rui Araújo, explicaram outras fontes do executivo, poderia vir a acumular também a pasta de Finanças.
Para os cargos de vice-primeiros-ministros poderão ser nomeados ainda o actual ministro de Estado e da Presidência do Conselho de Ministros, Agio Pereira, e o actual ministro da Justiça, Dionísio Babo. Fonte da Fretilin confirmou à Lusa que membros do seu partido que eventualmente venham a integrar o executivo o façam de forma individual e não partidária.
Ainda assim, e tendo em conta o possível cenário de Rui Araújo ser primeiro-ministro, o partido vai reunir sexta-feira a sua Comissão Política Nacional.
Fonte: Angop

back to top